Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Mais Notícias > Projeto Árvores Gigantes mapeia angelim vermelho de grande porte em Mazagão
Início do conteúdo da página

Projeto Árvores Gigantes mapeia angelim vermelho de grande porte em Mazagão

Publicado: Sexta, 19 de Novembro de 2021, 15h49 | Última atualização em Segunda, 22 de Novembro de 2021, 11h09

Foto: Anderson Bernardina

Em mais uma expedição do Projeto Árvores Gigantes da Amazônia ,  pesquisadores encontraram  um Angelim vermelho (Dinizia excelsa Duke)  de 83 metros de altura por 7,10 metros de circunferência, na região do município de Mazagão, a 34 km de Macapá, capital do Amapá. A sua altura equivale a um prédio de 27 andares. A quarta expedição foi realizada em entre os dias 05 a 08 de novembro.Participaram da equipe pesquisadores de instituições do Amapá, Minas Gerais e Reino Unido.

O Projeto Árvores Gigantes coordenado pelo professor do Ifap, Campus Laranjal do Jari, Diego Armando, realizou ao todo quatro expedições, sendo que na terceira foi encontrada a maior árvore já catalogada no estado do Amapá. Trata-se de  angelim vermelho (Dinizia excelsa Duke) de 85,44 metros altura , com uma circunferência de  9,45 metros e encontra-se no município de Porto Grande, na região do rio Cupixi.

Como são feitas medições ?

As medições de árvores de grande porte são feitas por meio do sistema “Lidar”  (da sigla inglesa Light Detection And Ranging) e Escalada. Nas medições pelo sistema “Lidar”,  que é um sistema aeroembarcado, o equipamento é colocado em uma aeronave, que sobrevoando a floresta emite laser, fazendo uma estimativa tridimensional da floresta. No projeto, foram utilizados os dados encaminhados pelo professor Eric Gorgens, da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM), que, ao processar informações do sistema Lidar identificou a projeção de árvores de grande porte na Amazônia.

Na escalada é utilizado uma tubulação com pressão e um estilingue, uma espécie de catapulta, onde atira-se a corda ao tronco da árvore. Após isso, com a corda presa na estrutura vegetal, os escaladores sobem até o topo , portando uma régua flexível, e assim,  fazendo as medições das árvores de grande porte.

Capacitação

A quarta expedição do Projeto Árvores Gigantes da Amazônia realizou cursos  de qualificação de moradores da comunidade São Francisco do Iratapuru, localizada na região do vale do Jari, com o objetivo de que os habitantes possam auxiliar os pesquisadores em novas expedições.